Sobre Cabelos Brancos!

Há dois anos, minha mãe resolveu que iria usar seus cabelos brancos, o mais natural possível.

O primeiro passo foi ficar loira, com o tom mais claro que conseguiu. Conforme a raiz aparecia, ela fazia algumas luzes (nos fios que ainda estavam escuros) e passava totalizantes para igualar o tom.

Essa foto é do dia do meu casamento, em agosto de 2015, em um dos últimos momentos que estava loira.

Eu sempre dei força e sabia que ficaria linda com cabelos brancos também.

De fato, sua pele clara de tom neutro permite usar tanto tons loiros dourados (pérola) quanto tons acinzentados (prata). O processo foi longo e ela quis desistir algumas vezes, mas em algum momento há aproximadamente dois anos atrás seus cabelos ficaram brancos!

Críticas

As críticas foram as primeiras a surgir: “pinta isso”, “tá mais velha”. E, por vezes, as críticas incomodaram. Mas nós a apoiamos, aquilo a deixaria mais feliz (e mais gata impossível). Então, ela se manteve forte, fincou o pé e foi fundo.

Acredito que as pessoas que criticam uma decisão pessoal (e tão certeira) quanto essa são as primeiras a não aceitar o seu próprio envelhecimento. Tudo bem você não querer deixar seus próprios cabelos brancos, mas criticar outras pessoas simplesmente por que você não se vê fazendo é errado e pode magoar! Até por que a forma que se critica faz muita diferença!

Por sorte, com o passar do tempo, os cabelos brancos dela começaram a render muito mais elogios do que críticas, como no dia da foto abaixo, que foi surpreendida por uma pessoa desconhecida num restaurante para falar como estava linda e elegante com os cabelos brancos.

Sim, ela ficou maravilhosa e está adorando seus cabelos brancos, mas o importante é saber que essa foi uma escolha pessoal e que, a qualquer momento, ela pode voltar atrás, se isso for de seu interesse.

Preparação e Cuidados

Ao contrário do que a maioria pensa, os cabelos brancos também precisam de muitos cuidados.

Um corte bem feito e de acordo com o formato do seu rosto é um começo.

A análise cromática ajuda a identificar os tons de branco que mais combinam com o tom da sua pele.

A identificação do seu nível de contraste te ajuda a saber quais as estampas que ficam melhor em você e como a mudança para o cabelo branco pode afetar a escolha da roupa.

Em termos gerais, deixar os cabelos inteiramente brancos, pode aumentar o seu nível de contraste (pessoas negras) ou diminuir (pessoas brancas). Sabendo disso, antes das mudanças, você já aprende as técnicas e artifícios para usar algumas roupas que ficavam boas antes e, hoje, nem tanto.

Além disso, tem a questão de manutenção do tom dos fios. É preciso usar cremes capilares (tipo leave in) com filtro solar, shampoos totalizantes e matizadores específicos.

Quero assumir os brancos, o que fazer?

Se você também pretende deixar seus cabelos brancos, tenho um serviço específico para você que inclui: análise cromática, contraste pessoal, visagismo e tipo físico, avaliação das estampas, teste de cor de maquiagem e consultoria de profissionais e produtos.

Com esses serviços vamos conhecer sua coloração pessoal e traçar uma estratégia para que você realize o sonho de ter um cabelo branco estiloso e saiba usar suas cores em seu favor.

Para mais informações, entre em contato por e-mail (contato@valquiriaelissa.com.br) ou clique aqui, vai ser um prazer te atender.

E ai, noivinha? Qual o seu branco?

Uma das maiores aflições de quem resolve fazer análise cromática é: “será que vai ter a cor branca (e a cor preta) na minha cartela?”.

De fato existem cartelas que não incluem o branco e preto puros. Mas isso não significa que não existe um branco/preto para chamar de seu!

Hoje vamos apenas falar sobre a cor branca!

Qual a temperatura do seu branco?

Quando realizamos a análise cromática (clique aqui para entender melhor o que é e como é realizada) verificamos qual a temperatura do seu tom de pele, que pode ser:

Quente: mais pigmentos amarelos;

Frio: mais pigmentos azuis;

Neutro: presença de pigmentos amarelos e azuis em proporções similares.

Para cada uma dessas temperaturas da pele (quente, fria e neutra) existe um branco ideal. Para as pessoas de pele fria (como a minha), o branco puro (com fundo azul) fica lindo. Para as pessoas de pele quente, melhor escolher um branco com mais pigmentos amarelos.

IMG_9471

Vamos a um caso prático para entender melhor?

Fernanda Souza

Fernanda Souza possivelmente tem a pele fria (no máximo neutra). Olha como estava linda no dia do seu casamento quando usou um vestido branco puro.

Untitled 1

Está iluminada e o tom da pele dela está perfeito. Quem olha a foto de primeira, observa primeiro o seu rosto, depois olha o vestido e outros detalhes.

É possível que Fernanda tenha uma cartela de Inverno (mas só fazendo uma análise cromática mesmo).

Outra coisa que podemos avaliar também é o cabelo. Olhem esse antes e depois:

Fernanda antes e depois

O cabelo loiro (em tom quente) na Fernanda Souza mexeu com o seu contraste natural e deixou ela apagada. Olha a diferença entre essas duas fotos. O contraste certo com o tom certo, muda a beleza da pessoa.

Preta Gil

Preta Gil tem a pele quente e no seu casamento escolheu um vestido branco puro.

Preta-Gil-casamento

Olha como o tom do vestido pesou no seu rosto. O vestido está chamando mais atenção que ela. Ela está aparecendo um pouco abatida e apagada.

Olha a diferença entre as fotos abaixo e a foto do casamento.

Preta gil linda

Nas fotos acima, Preta Gil aparece iluminada, saudável, seu rosto chama atenção pela a beleza. As cores certas fazem isso por você. Se ela usasse um tom mais quente de vestido de noiva e uma maquiagem um pouquinho mais colorida, o resultado seria diferente

Quanto a cor do cabelo está perfeita. Ela resolveu iluminar os fios em tons loiros quentes (o certo para ela), mas manteve seu contraste natural.

O Tom certo.

O tom certo deve realçar a beleza de quem o veste. Quem deve chamar atenção é a noiva e não o vestido.

Volte nas fotos da Fernanda Souza e da Preta Gil com seus vestidos de noiva. Perceba para onde vai o seu olhar. O que você olhou primeiro (ou por mais tempo) ao observar cada foto?

Cor do Vestido, Cabelos, Acessórios e Decoração da Festa!

O dia do seu casamento é o dia para você brilhar, estar no seu melhor. Afinal, serão tiradas muitas fotos que você vai querer expor e guardar para sempre.

Com a Análise Cromática você pode descobrir qual o melhor tom de branco para o seu vestido, a melhor cor para o seu cabelo, a cor dos acessórios (dourados ou prateados?)  e, também, as cores da festa, por que não?

As flores do buquê e da decoração da festa vão aparecer em muitas fotos junto com você, então melhor escolher cores que te valorizem, que te deixem iluminada, que chamem atenção para a sua beleza, não é mesmo?

E você, noivinha? Já sabe as cores que te valorizam?

Se você já está com casamento marcado e ainda não sabe qual o seu branco? Agende uma Análise Cromática (clique aqui) e vamos descobrir suas cores!

Se você já está com o vestido comprado, não se preocupe, existem técnicas para amenizar os efeitos que uma cor que não é da sua cartela podem ter sobre você.

Fazendo a Análise Cromática, você conhece suas melhores cores e aprende como usar as cores que não estão na sua cartela.

 

Qual o seu Nível de Contraste?

Olá!!!

Hoje vamos falar sobre contrastes na nossa coloração pessoal!

Existem três níveis de contrastes em relação a profundidade da cor: Alto Contraste, Médio Contraste e Baixo Contraste.

Para avaliarmos o nível de contraste de uma pessoa, devemos observar a diferença da cor dos cabelos, olhos e pele.

Na foto acima selecionei 3 celebridades cada uma com um nivel de contraste diferente. Você consegue identificar qual é qual?

Aqui estamos falando apenas de contraste! Selecionei propositalmente essas três mulheres pois elas não só possuem níveis de contrastes diferentes como temperaturas de pele diferentes, mas isso é assunto para outro dia.

A Avaliação

Em algumas pessoas, a identificação do nivel de contraste é mais facil, mas para outras a análise deve ser feita com mais cuidado.

E como é feita essa análise? O primeiro passo é tirar uma foto da pessoa e passar a foto para Preto e Branco. A foto deve ser sem maquiagem e correções, mas aqui peguei essas do Google para fins de exercício.

Em seguida, obtemos amostras pontuais da cor dos cabelos, pele, olhos, sobrancelha da pessoa analisada. E enfim, analisamos a diferença entre a profundidade dessas amostras.

Vejam abaixo a avaliação das celebridades selecionadas.

Ficou mais fácil saber quem é alto, baixo e médio contraste? Facilita muito, não é mesmo?

Reese Witherspoon é Médio Contraste. Anne Hathaway é alto contraste. Gisele Bundchen é Baixo Contraste.

Conseguem perceber que a diferença da amostra das cores da Gisele é menor que a de Reese? E, por sua vez, a diferença das cores das amostras de Anne são maiores que as cores de Reese e Gisele.

Mas para quê avaliar o contraste?

O objetivo da avaliação do contraste é observar as estampas e quebras de cores na qual uma pessoa fica bem ou não.

Ou seja, pessoas com alto contraste ficam bem e “podem” usar estampas de alto contraste. Já pessoas com medio/baixo contraste devem usar estampas e quebras de cores mais sutis, menos contrastantes.

Observe o exemplo abaixo

O vestido de Reese tem alto contraste e acaba chamando mais atenção do que ela. Olhe novamente, seu olhar acaba sendo direcionado para o vestido e não para a mulher.

Agora observem Anne: iluminada e magnífica. Como a estampa “imita” o contraste da coloração de Anne, quem aparece é ela, não o vestido. Perceberam?

Não é só o nível de contraste que define o tipo de estampas que podemos usar, nosso tipo fisico, cartela de coloração pessoal e imagem que queremos passar também tem grandes influências.

Mudanças de contrastes

Quando mudamos a cor dos cabelos, podemos estar mudando nosso nível de contraste. Mas mudar o nível de contraste é ruim ou bom? Depende!

Na teoria, a nossa cor natural de cabelo é sempre a que nos garante um nível de contraste melhor. Entao, a princípio, mudar o nível de contraste, seria ruim. Mas, como toda regra, existem exceções e essas devem ser analisadas caso a caso, considerando também a imagem que queremos passar.

Além disso, outros fatores devem ser avaliados, em relação a nossa coloração pessoal, quando realizamos mudanças capilares, como o seu tom de pele (neutro, frio ou quente).

* * *

Por hoje é isso! Gostaram? Conseguiram identificar o seu nível de contraste?

Os Cabelos Naturais e os Padrões de Beleza

Quem por aí usa seu cabelo natural? Sem escova, alisamentos, chapinhas e etc?

Hoje vamos falar sobre os padrões de beleza e como isso afetou a vida dos brasileiros e brasileiras que não se enquadravam nesse padrão.

A moda capilar com o passar dos anos

A revista Cabelos fez um artigo muito interessante sobre o assunto.Quem quiser ler na íntegra, clica aqui.

O que eles contam no artigo é que a moda dos cabelos lisos teve inicio em 1930, mas como não existiam os produtos químicos alisadores, o jeito era usar uns instrumentos (cabelisador ou pente quente) que eram aquecidos no fogo e depois passados na cabelo.

É claro que os danos aos cabelos eram terríveis. Quem lembra da cena do filme Little Woman (Adoráveis Mulheres) – um dos meus filmes preferidos – em que a Jo queima o cabelo da irmã?

Esse filme (que eu não me canso de assistir! Hehe) se passa em torno de 1860, quando a moda era cabelos longos e perfeitamente ondulados, mas o estrago era o mesmo que os cabelisadores e pentes quentes poderiam causar.

Aqui no Brasil, muitos usavam os ferros de passar nos cabelos para dar aquela alisada (pode perguntar pros familiares mais velhos, vai achar alguém que fazia isso! Rs).

Os anos se passaram e na década de 50 surgiram os primeiros alisadores químicos, como o hidróxido de sódio (soda caustica), que eram mais usados para alisar/relaxar os cabelos afros.

Na década de 70, com a era hippie, os cabelos voltaram um pouco para a naturalidade. Mas ainda assim surgiram alisantes como o hidróxido de potássio, que por ser extremamente agressivo, danificava muito os cabelos.

Nos anos 80, o volume era a moda. Surgiu então o permanente (tioglicolato de amônio), cujo objetivo era dar ondas e volume. Mesmo assim, surgiram outras químicas para alisar como o Relaxer (relaxamento), Henês e toucas químicas.

A partir da década de 90, os cabelos lisos chapados viraram febre, as pranchas foram popularizadas e surgiu o alistamento japonês (quem lembra?), também chamado de escova definitiva. Esse alisamento danificava bastante os fios e o resultado era bastante artificial.

Aqui no Brasil, a preocupação com a imagem, beleza e o interesse por cosméticos é muito alta. Por isso, muitos desses alisamentos foram inventados e utilizados aqui.

A partir 2010, houve a proibição do formol e do ácido glioxilico (por liberar formol quando aquecido). Hoje, a Anvisa permite as seguintes substancias para alisamento: tioglicolato de amônio, carbonato de guanidina, hidróxido de guanidina, de sódio, de potássio, lítio e cálcio.

Padrão de Beleza e a Liberdade

Esse padrão de beleza de cabelos lisos fez com que muitas mulheres (e homens também, mas em menor proporção) se mantivessem reféns desses alisamentos e, com o passar do tempo, muitos foram percebendo os danos físicos e psicológicos.

Muitas meninas, ainda crianças, sofreram com bulling por causa dos cabelos ondulados, cacheados e afros. Não podia-se ser quem era, tinha que seguir os padrões.

Porém, as químicas danificaram muito os fios e muitas mulheres passaram a ter queda de cabelo, aumento da oleosidade e até alopecia devido aos danos.

Nesse momento, muitas mulheres passaram a querer seus cabelos naturais, estavam prontas para serem livres da escravidão das químicas. Seguir os padrões impostos pela sociedade não valia mais a pena.

Observação Pertinente 1: não estou aqui querendo que você, ou que ninguém, deixe de fazer química ou faça química. Cada um faz o que quer com o cabelo, mas faca com consciência do que esta fazendo!

Transição Capilar

Neste momento surge a transição capilar. As mulheres simplesmente pararam de usar química e deixaram seus cabelos crescerem naturais.

A transição capilar é um sofrimento para muitas mulheres, pois, por muito tempo, os cabelos ficam com duas texturas e a autoestima pode ser afetada.

Quando o cabelo cresce o suficiente, ocorre o Big Chop (o grande corte) para tirar todos os vestígios do alisamento e sobra apenas os cabelos naturais.

E gente, olha essa foto! Nem preciso mais falar nada, né?!

Eu adoro ver fotos de transição capilar e big chop, sigo até as hashtags! Rs

Semana do Cabelo Real

Essa semana, um cabeleireiro especializado em cabelos reais (naturais e sem químicas alisadoras), chamado Bruno Dantte (@brunodantte) criou a Semana do Cabelo Real (#desafiocabeloreal), no qual ele está divulgando uma serie de video-aulas para ajudar as pessoas que querem usar seus cabelos naturais.

As aulas 1 e 2 já foram liberadas. Não sei quanto tempo elas ficarão liberadas, então, se você tem interesse, corre no site dele ou no instagram para mais informações.

Eu já assisti e vou tentar fazer esse desafio por aqui, e trago novidades para vocês! Vamos fazer também?