TED Talks Bacanas #2 – Adaptive Clothing

Vocês já ouviram falar do termo “Adaptive Clothing”? Traduzido como “roupas adaptadas” ou “roupas inclusivas”, esse é um ramo da indústria da moda pouco conhecido e explorado.

Esse é o tema do nosso TED Talk de hoje. Ministrado pela incrível Fashion Designer Mindy Scheier, ela também fala sobre as suas dificuldades na maternidade e sobre a industria da moda.

Vamos lá?

Para quem quiser assistir o vídeo com legenda em português, clique aqui.

Como dito na palestra, Mindy está a frente do Projeto “Runway of Dreams” (Passarela dos Sonhos em tradução livre) que tem o objetivo de adaptar roupas para pessoas portadoras de deficiências. O objetivo é fazer com que as roupas adaptadas tenham o estilo que o usuário deseja para elevar sua autoestima por meio da vestimenta e inclusão.

O TED Talk de Mindy foi gravado em Novembro de 2017, ou seja, super recente. A industria das roupas inclusivas/adaptadas é nova e está em expansão.

Aqui no Brasil também existem projetos similares. Porém, em todas as lojas onlines que eu visitei, achei as roupas extremamente funcionais, padronizados e nada modernas (vejam foto abaixo).

Adapt wear

São roupas muito diferentes da coleção Tommy Adaptive de Tommy Hilfiger, cujo objetivo é “ser inclusiva e capacitar pessoas de todas as habilidades para se expressarem por meio da moda.”

Tommy-Adaptive5

Olha que foto linda e impactante!

Não precisa ser nenhum especialista de moda para perceber a diferença e empoderamento que essas roupas adaptadas podem oferecer aos portadores de deficiência, não é mesmo?

O empoderamento e autoestima acontece não só pela beleza das roupas mas pela facilidade em vesti-las.

De acordo com o último Censo do IBGE (realizado em 2015), existem cerca de 45 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência. Está aí uma grande oportunidade para a industria da moda que quer fazer a diferença na vida de milhões de brasileiros.

E ai? Vocês gostariam ou conhecem alguém que gostaria de uma moda adaptada mais bacana? Conhecem algum lugar que já produz roupas adaptadas interessantes? Deixe seu comentário!

 

Aqui não é creche! É escola!

A primeira vez que ouvi isso, passei batido, achei que era besteira e que eram termos que diziam a mesma coisa, mas não é! E eu aprendi na marra!

Quando meu filho tinha 1 ano e 8 meses, eu fiz uma busca extensa por uma creche/escola para ele. Nesse momento eu não sabia a diferença e levei em conta os fatores que eram importantes para mim na época. 

Creche escolhida, matrícula feita, adaptação concluída aos trancos e barrancos (depois vai ter post sobre isso), começaram as doenças. E depois da segunda doença, tiramos ele. E apesar das doenças terem sido brabas, tiveram outros fatores que contribuíram para a decisão e que estavam me deixando insatisfeita. 

Creche-escola x Escola-escola

A principal questão era que ele estava numa creche-escola e não numa “escola-escola” (termo inventado).

O que isso significa?

Bem, quando a criança tem menos de 1 ano você só pode colocar ela em creches. Não existe “escola-escola” para crianças de menos de 1 ano. Quando a criança já tem 1 ano e está “andando firme”, você tem mais opções. Pode colocar ela numa creche-escola ou numa “escola-escola”. 

E qual a diferença?

A creche-escola vai seguir uma rotina de creche, ou seja, tem horário rígido de soninho, tem horário de almoço e tem menos atividades educativas. E isso é ruim? Depende! 

Na creche-escola que meu filho estava, o dia era mais ou menos programado assim:

  • Entre 7:30 e 9h : as crianças chegavam e ficavam brincando livremente no pátio. Sem nenhuma atividade orientada. Eram supervisionadas pela professora e duas “babás” (esse é o termo que muitas creches e escolas usam para chamar as moças que não tem formação de pedagogia, que ajudam nas idas ao banheiro, trocas de fraldas e alimentação).
  • De 9h as 9:40: todas as crianças são sentadas nos cadeirões de alimentação e lancham com ajuda da professora e babás.
  • 9:40 as 10:00: arrumação após lanche – mãos lavadas, fraldas trocadas e ida até a sala que iria ter atividade.
  • 10 até 10:30: alguma atividade (música, psicomotricidade, pintura ou outra coisa).
  • 10:30 até 10:50: brincadeiras livres.
  • 10:50 até 11:30: almoço (gente que almoço cedo do cacete, odiava isso).
  • 11:30 até 11:50: arrumação após almoço com escovação de dente.
  • 11:50 até 12:40: soninho. As luzes eram apagadas e colocavam colchonetes da salinha.
  • 12:40 as 13:00: arrumação para ir embora.

Tinha dias que tinha atividade de 8h as 9h e a brincadeira livre era de 10h as 10:50. Mas da para entender a rotina. 

Quando eu fui visitar a creche, eu tomei conhecimento dessa rotina muito por alto. Nunca vi ninguém chegar e perguntar para escola qual a programação da creche hora por hora.

Bem, meu filho era para ficar em meio período, de 8h as 13h. Eu queria que ele tivesse uma manhã ativa para ele almoçar em casa e dormir. Essa era o rotina ideal. 

Só que por ser creche, essa rotina ficou meio barrada. Entende? Vou explicar!

Horário de almoço 

Primeiro por causa do almoço: as crianças que não almoçavam (na turma dele era ele e mais duas crianças) não tinham nenhuma atividade. Ficavam com uma babá brincando no pátio ao lado da onde estavam as outras crianças almoçando. Era meio que uma solução meia boca. Muitas vezes, meu filho e as outras crianças que não almoçavam viam as outras crianças comendo e queriam comer também. Choravam, faziam escândalo e acabavam almoçando por lá mesmo. E aí a rotina dele ficava do avesso!

“E porque você não deixava logo ele almoçar lá?” Eu gostava que ele almoçasse em casa por que eu sabia o quanto ele estava comendo e como era feita a comida. Por mais que eu acreditasse que a comida da creche era bem feita (e de fato acho que era), nunca poderia ter certeza da quantidade que ele tava comendo. Outra coisa era o horário do almoço, muito cedo! Se ele se acostumasse com esse horário como seria depois em casa?

Hora marcada para dormir

Outra coisa que não gosto de creche é essa hora marcada para dormir. E sem nenhuma alternativa para as crianças que não dormem nesse horário estabelecido. Meu filho não dormia e ficava brincando sozinho (as outras crianças estavam adaptadas à dormir) com uma babá na sala da turma do lado, que ficava vazia naquele horário! E escreveram na agenda que seria assim se eu não quisesse que ele dormisse! Pera lá, né? Eu tava pagando uma creche para meu filho ir comer, dormir e brincar com uma babá? Sem orientação e atividades estimulantes e interessantes? E ainda ficava doente? Não fazia sentido!

E na escola como é?

Numa escola-escola, para uma criança que fica de 7:30 as 12:30 funciona assim: o horário de lanche é mais tarde e reduzido (de 10 as 10:30), não tem horário de almoço e não tem horário de soninho. Ou seja, as criança estão sendo estimuladas, brincando e sendo entretidas em todos os momentos!

Até nos momentos de brincadeira livre, as professoras estão criando alguma atividade (com os brinquedos do pátio) ou brincando junto com as crianças (brincando de roda, fazendo pista de carrinho, colocando fantasia e etc). É muito mais estimulante e lúdico!

Além disso, nas escolas-escolas costumam ter mais professoras e menos babás por turma. Justamente por que estão mais ligados e comprometidos com a educação e desenvolvimento.

E para as crianças que ficam o dia todo?

Na escola, para as crianças que ficam em horário integral ou extendido (até 15h ou 16h) tem almoço e soninho (caso seja importante para a rotina da criança). Ou seja, acabou o período da manhã as 12:30, as crianças do integral/extendido vão almoçar (horário normal de almoço né). Depois do almoço fazem a higiene. As crianças que dormem vão para uma sala separada para dormir. As que não dormem se juntam com as do período da tarde nas atividades normais!

Resumo da ópera

Na minha opinião não vale a pena colocar crianças acima de 1 ano em creche! Se a criança for ficar em período integral na creche, eu até entendo, mas mesmo assim acho que uma escola teria mais benefícios. 

Se for ficar meio período, na minha opinião, não tem discussão, é escola! 

Ao meu ver, a creche é um serviço de baba comunitário, sem ou com pouco compromisso de aprendizado e desenvolvimento.

E vocês? O que acham? Qual a experiência que tiveram com creches e/ou escolas?

Observação: gente, essa diferenciação de creche e escola só vale para os pequenos, até 4/5 anos! Depois dessa idade, mesmo às creches-escolas seguem o padrão das escolas-escolas (atividades constantes, sem almoço e sem soninho).