Uma atitude muda tudo! Mindset das Compras!

Ontem foi dia de Personal Shopping. Encontrei com a cliente em Ipanema e passei o roteiro das lojas que eu tinha pré selecionado peças para ela experimentar.

Quando mencionei uma loja específica, ela soltou um: “aff! Essa loja não”. Eu fiquei surpresa com a reação dela pois é uma loja que mulheres do padrão de vida, estilo e classe social dessa cliente costumam amar.

Perguntei o motivo dela não gostar da loja e eis que ela me responde algo bem comum: “Sempre que eu vou lá me sinto julgada e não sou bem tratada pelas vendedoras, mas gosto muito das roupas de lá”.

Infelizmente, isso é algo bem comum. Eu já passei por isso e, honestamente, não conheço ninguém que não tenha passado.

Mas desde que eu me tornei consultora de imagem e comecei a entrar nas lojas com olhar mais técnico e com mais confiança, isso foi lentamente deixando de acontecer.

Acreditava que era por ser uma profissional do ramo que poderia gerar muitos frutos para as lojas. Mas, olhando com mais cuidado, a esmagadora maioria das lojas que passei a frequentar, seja por mim ou por causa das minhas clientes, nem sabiam que eu era consultora de imagem. Algo que eu só menciono em último plano, de fato.

Voltando a minha cliente daquela tarde, eu estava decidida a por um fim na má impressão que a cliente tinha daquela loja. A loja tem boas peças, no estilo da cliente, excelente qualidade e um preço, bem, um preço que a cliente pode e esta acostumada a pagar.

Antes de entrar na loja, nos sentamos num café nas proximidades e fiz a pergunta que fiz no meu instagram na tarde de ontem: “Você já viu o filme Pretty in Pink (A garota de rosa shocking)?”

Ao contrario da maioria que respondeu a enquete lá no instagram, ela já tinha visto, afinal, ela era adolescente quando o filme foi lançado.

E por que eu fiz essa pergunta? Por que tudo na vida é uma questão de atitude.

(SPOILER ALERT) No filme, Andie é uma menina de classe baixa que frequenta uma escola publica americana que possui muitos ricos e muitos pobres também. Ela se sente triste porque começa a gostar de um menino rico e se sente culpada em querer sair com ele, que pertence a outro grupo socioeconômico, bem diferente do mundo dela. Em uma conversa de Andie com o diretor da escola, ele fala: “Se você sinaliza que não quer pertencer, as pessoas vão garantir que você não pertença”

“If you put out signals that you don’t want to belong, people are gonna make sure that you don’t.”

Ao falar sobre isso com a cliente, questionei sobre a atitude dela ao entrar na loja. Falei que ela não deveria se sentir intimidada pelos preços, pelas vendedoras e nem pela fama da loja.

A nossa atitude ao entrar numa loja, ou em qualquer ambiente, é importantíssima para nos sentirmos aceitos. E ao inflar o ego da cliente, falando que era uma mulher linda e rica (totalmente verdade), eu garanti que a atitude dela o entrar na loja demandasse um bom atendimento.

A atitude é uma das 4 dicas que eu dou para garantir um bom atendimento e evitar as compras de impulso e desnecessárias.

Como assim? Quando você entra com atitude, o poder está nas suas mãos e você se sente mais confiante para seguir as outras 3 dicas!

Quer saber das outras dicas? Clique aqui e assista meu vídeo do canal Se Enxerga!

O que é e como é feita a Análise Cromática?

A análise cromática é uma técnica onde se utilizam tecidos para avaliar as três dimensões do seu tom de pele (temperatura, profundidade e intensidade).

Com essa avaliação, vamos descobrir qual a sua coloração pessoal, isto é, as cores que mais combinam com seu tom de pele, que amenizam marcas e expressões.

No método sazonal expandido, existem 12 cartelas de coloração pessoal. Também existe o método sazonal com apenas 4 cartelas, que não inclui as pessoas com pele neutra.

Essa acima é a minha cartela. Inverno Escuro ou Inverno Profundo.

 

Para saber a sua, entre em contato e agende uma Análise Cromática.

 

Qual o seu Nível de Contraste?

Olá!!!

Hoje vamos falar sobre contrastes na nossa coloração pessoal!

Existem cinco níveis de contrastes em relação a profundidade da cor: Alto Contraste, Medio-Alto Contraste, Médio Contraste, Médio-Baixo Contraste e Baixo Contraste.

Para avaliarmos o nível de contraste de uma pessoa, devemos observar a diferença da cor dos cabelos, olhos e pele.

Na foto acima selecionei 3 celebridades cada uma com um nivel de contraste diferente. Você consegue identificar qual é qual?

Aqui estamos falando apenas de contraste! Selecionei propositalmente essas três mulheres pois elas não só possuem níveis de contrastes diferentes como temperaturas de pele diferentes, mas isso é assunto para outro dia.

A Avaliação

Em algumas pessoas, a identificação do nivel de contraste é mais facil, mas para outras a análise deve ser feita com mais cuidado.

E como é feita essa análise? O primeiro passo é tirar uma foto da pessoa e passar a foto para Preto e Branco. A foto deve ser sem maquiagem e correções, mas aqui peguei essas do Google para fins de exercício.

Em seguida, obtemos amostras pontuais da cor dos cabelos, pele, olhos, sobrancelha da pessoa analisada. E enfim, analisamos a diferença entre a profundidade dessas amostras.

Vejam abaixo a avaliação das celebridades selecionadas.

Ficou mais fácil saber quem é alto, baixo e médio contraste? Facilita muito, não é mesmo?

Reese Witherspoon é Médio Contraste. Anne Hathaway é alto contraste. Gisele Bundchen é Baixo Contraste.

Conseguem perceber que a diferença da amostra das cores da Gisele é menor que a de Reese? E, por sua vez, a diferença das cores das amostras de Anne são maiores que as cores de Reese e Gisele.

Mas para quê avaliar o contraste?

O objetivo da avaliação do contraste é observar as estampas e quebras de cores na qual uma pessoa fica bem ou não.

Ou seja, pessoas com alto contraste ficam bem e “podem” usar estampas de alto contraste. Já pessoas com medio/baixo contraste devem usar estampas e quebras de cores mais sutis, menos contrastantes.

Observe o exemplo abaixo

O vestido de Reese tem alto contraste e acaba chamando mais atenção do que ela. Olhe novamente, seu olhar acaba sendo direcionado para o vestido e não para a mulher.

Agora observem Anne: iluminada e magnífica. Como a estampa “imita” o contraste da coloração de Anne, quem aparece é ela, não o vestido. Perceberam?

Não é só o nível de contraste que define o tipo de estampas que podemos usar, nosso tipo fisico, cartela de coloração pessoal e imagem que queremos passar também tem grandes influências.

Mudanças de contrastes

Quando mudamos a cor dos cabelos, podemos estar mudando nosso nível de contraste. Mas mudar o nível de contraste é ruim ou bom? Depende!

Na teoria, a nossa cor natural de cabelo é sempre a que nos garante um nível de contraste melhor. Entao, a princípio, mudar o nível de contraste, seria ruim. Mas, como toda regra, existem exceções e essas devem ser analisadas caso a caso, considerando também a imagem que queremos passar.

Além disso, outros fatores devem ser avaliados, em relação a nossa coloração pessoal, quando realizamos mudanças capilares, como o seu tom de pele (neutro, frio ou quente).

* * *

Por hoje é isso! Gostaram? Conseguiram identificar o seu nível de contraste?